terça-feira, 11 de setembro de 2007

A PARÁBOLA DA OPORTUNIDADE (Mateus 21.28-32)

Amados, nas linhas abaixo, quero resumidamente apresentar a cerne da mensagem pregada no último domingo, na Igreja Batista Missionária de Pirajuí, pastoreada pelo meu amigo e missionário Pastor Celso Fonseca. O Pastor Celso tem, gentilmente, cedido alguns artigos que ele escreve no jornal local "O Alfinete".
No domingo passado, 09, estivemos lá para falar sobre um tema maravilhoso: MISSÕES!

Nesta parábola, temos a figura de um pai, dois filhos e uma vinha. Jesus utiliza-se de elementos do cotidiano da época para apresentar uma nova visão para os seus discípulos.
Vale lembrar que, nos versículos anteriores, os principais sacerdotes estavam questionando sua autoridade para ensinar o povo.

Jesus propõe uma parábola: A parábola dos dois filhos.

Na verdade, temos alguma lições implícitas no texto e queremos enfatizar o aspecto missionário das palavras de Jesus.

I) DEUS TEM URGÊNCIA MISSIONÁRIA (v. 28)
Jesus disse que o pai falou para o filho: -Filho, vai trabalhar na minha vinha HOJE!
Ele não disse que era para esperar, para a semana que vem, que era condicional esta ordem. Era URGENTE! Não podemos negligenciar a obra do Senhor, colocando-a na derradeira posição das nossas prioridades. Deus quer discípulos obedientes HOJE. Não amanhã!
Deus tem um desejo abundante em Seu coração: que todos os homens se salvem. Mas como fazer com que a mensagem chegue até eles?? Se muitas vezes nós somos o principal impeditivo para a obra evangelística avançar?
O pai disse que a vinha era dele, mas ela era herança dos filhos. Portanto, todo e qualquer investimento na vinha do pai, representa um investimento no próprio patrimônio. O que Deus deseja de nós é que invistamos na vinha do Senhor (Igreja) porque ela é nosso patrimônio, nossa herança, os bens espirituais da Igreja do nosso Senhor Jesus Cristo, pertencem a nós e nossos filhos para sempre.! (Dt. 29.29);

II) O CHAMADO DE DEUS PARA O SERVIÇO É UNIVERSAL. (v. 28 e 30)
O pai tinha dois filhos. O mesmo convite fora estendido aos dois. Isto significa que Deus quer que a sua Igreja seja TOTALMENTE envolvida na Sua obra. Não podemos mais aceitar uma Igreja dependente de uma minoria ou que espera que o Pastor seja "tudo em todos"... Este é o papel do Espírito Santo de Deus. É Ele quem opera tudo em todos (I Co. 12.6).
Nosso envolvimento tem que ser total, nosso comprometimento tem que ser integral, nossa devoção deve ser exemplar, nosso testemunho deve ser tocante, nossa empolgação deve ser máxima em fazer e realizar a obra que Jesus deixou aos seus discípulos. Quando Jesus voltar, bendito será o servo que o Senhor encontrar SERVINDO ASSIM (Mt. 24.46).
Não temos opção. A inércia não é uma escolha, o comodismo não é aceitável, as desculpas têm de dar lugar à prontidão.

III) HÁ DOIS TIPOS DE CRISTÃOS REPRESENTADOS NESTES DOIS FILHOS: O VERDADEIRO E O FALSO. (v. 29,30).
Nas atitudes dos filhos, vemos o contraste entre dois grupos de discípulos que Jesus queria enfatizar nesta parábola: a diferença entre o verdadeiro e o falso, entre o religioso e o sincero, entre o legalista e o espiritual.
Note que a reação do primeiro foi negativa, mas sua atitude foi positiva. Já a reação do segundo foi positiva, mas sua atitude foi negativa. Isto quer dizer que, tanto nossas palavras, quantos nossas ações, devem ter coerência diante do Senhor. Chega de pregar uma coisa e viver outra! Chega de banalizarmos nossas atitudes, achando que estamos enganando alguém. De Deus não se zomba!
O verdadeiro sentiu alguma coisa no seu interior. Deixou que o Espírito Santo trabalhasse nos seu coração, com seus conceitos, na sua mente.
Será que temos permitido ao Espírito Santo de Deus agir em nosso interior? Será que temos deixado de lado nosso emocional e ouvido mais o nosso racional? Em dias de Teologia da Prosperidade e tantas outras "novidades" pregadas inescrupulosamente em nossos púlpitos, será que ainda submetemos a mensagem que ouvimos ao crivo da Palavra de Deus?
O primeiro filho representa uma geração que ainda atenta para as palavras do seu Pai.
O segundo filho representa uma geração que, além de não atentar para as palavras do Pai, tenta viver um cristianismo raso, superficial, insólito e aventureiro. Uma geração marcada pela divisão e pela discórdia, pela ganância que tomou conta de tantos "apóstolos" e "bispas" destes últimos dias. É isso mesmo!!! Destes ÚLTIMOS DIAS. Estamos perto, muito perto da nossa redenção, sim.

Qual filho representa sua atitude? Qual filho representa seu envolvimento com a obra missionária? A vinha precisa de trabalhadores e não paroleiros que com sua boca dizem uma coisa, mas na verdade sua vivência é outra completamente diferente. Se dermos ouvidos à voz do Espírito Santo de Deus, certamente algo vai mudar dentro de nós e nossa atitude será diferente, ainda que no calor da nossa emoção, tenhamos um discurso diferente....

Nossa atitude pode mudar o efeito das nossas palavras.

Fique com Deus e que o Espírito Santo possa ter liberdade para agir em nossos corações, amém???

Pr. Jaaziel Marcelo


Um comentário:

Anônimo disse...

Pastor! O senhor não inverteu a ordem dos filhos? Em minha Bíblia (Almeida - RA)o primeiro filho dá resposta positiva, mas a atitude é negativa. Já o Segundo filho dá resposta negativa, se arrepende e sua atitude posterior é positiva. Acho que o Senhor escreveu o contrário em seu comentário!!!!

Compartilhe