segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Solução Melhor que Dar Cabeçadas


Por Robert J. Tamasy

O Maná da semana passada abordou sobre as consequências de se submeter às exigências do nosso ego, fazendo tudo para obtermos o que desejamos. Recentemente me deparei com uma história que demonstra as virtudes de um comportamento oposto.
 
A história veio de Ulrich Zwingli, conhecido como Zuínglio, líder da Reforma Protestante na Suíça no início dos anos 1500. Ele e Martinho Lutero, catalisador da Reforma, se envolveram em grave disputa e Zuínglio não sabia o que fazer para resolver o conflito. Encontrou a solução numa manhã enquanto olhava a encosta de uma montanha. 
 
Ele observou duas cabras se aproximarem uma da outra numa trilha estreita da encosta, uma subindo e outra descendo. Ao se avistarem, pararam e baixaram as cabeças. Parecia que iriam se desafiar. Entretanto, ao invés de baterem cabeças, a cabra que subia a montanha, abaixou-se na trilha. A outra, que descia, pôde então pisar nas costas da outra e ambas prosseguiram sem qualquer impedimento.
 
Se as cabras tivessem escolhido dar cabeçadas, uma poderia ter vencido, mas o resultado seria desastroso para ambas. Porém, quando uma se curvou diante da outra, humilhando-se, pôde avançar e atingir lugares mais altos. 
 
Com frequência vemos exemplos no mercado de trabalho de pessoas agarradas a suas metas e objetivos, determinadas a não permitir que nada se interponha em seu caminho! Quando encontram oposição, insistem em bater cabeças, lutando até chegar a um desfecho amargo e às vezes sangrento.
 
Mas examine a lição que Zuínglio aprendeu com as duas cabras: uma submeteu-se brevemente à outra, levando a um resultado em que ambas ganharam. Uma abordagem assim não teria espaço na solução de conflitos no ambiente de trabalho? Este princípio encontra amplo respaldo na Bíblia, como segue: 
 
Para subir mais alto é preciso saber abaixar-se. Estar disposto a ceder aos interesses de outra pessoa não deve ser unilateral. Ambas se beneficiam quando estão dispostas a se “submeter” ou ser “servo” do outro. Assim como o submarino vai para baixo nas águas, submeter-se ou ser servo significa colocar-se intencionalmente abaixo do outro. “Sujeitem-se uns aos outros, por temor a Cristo” (Efésios 5.21). 
 
Líder e liderado devem submeter-se um ao outro. O modelo no mundo dos negócios é que superiores exerçam autoridade sobre os que se reportam a eles. Porém, o melhor líder é aquele que visa o interesse de seus liderados. “Escravos (liderados), obedeçam a seus senhores (líderes) terrenos com respeito e temor, com sinceridade de coração, como a Cristo. Vocês, senhores (líderes), tratem seus escravos (liderados) da mesma forma. Não os ameacem, uma vez que vocês sabem que o Senhor deles e de vocês está nos céus” (Efésios 6.5-9). 
 
Ser humilde para com companheiros e para com Deus. Ao invés de exigir satisfação de nossos desejos, relacionar-se com humildade com os outros pode alcançar o seu bom favor e ajuda. “Sejam todos humildes uns para com os outros” (1Pedro 5.5). “Deus Se opõe aos orgulhosos, mas concede graça aos humildes. Portanto, submetam-se a Deus” (Tiago 4.6-7). 
 

Texto de Robert J. Tamasy, vice-presidente de comunicações da Leaders Legacy, corporação beneficente com sede em Atlanta. Georgia, USA.  Com mais de 30 anos de trabalho como jornalista, é co-autor e editor de nove livros.Tradução de Mércia Padovani. Revisão e adaptação de Juan & Cristina Nieto

MANÁ DA SEGUNDA® é uma refelxão semanal do CBMC - Conecting Business and Marketplace to Christ, organização mundial, sem fins lucrativos e vínculo religioso, fundada em 1930, com o propósito de compartilhar o Evangelho de Jesus Cristo com a comunidade profissional e empresarial. © 2009 - DIREITOS RESERVADOS PARA CBMC BRASIL -  E-mail: liong@cbmc.org.br -Desejável distribuição gratuita na íntegra. Reprodução requer prévia autorização. Disponível também em alemão, espanhol, inglês, italiano e japonês.

Compartilhe